07 março 2006

Luís Monteiro da Cunha

Sentinela de Luz!




Madrugada em silêncio
Esfuma-se devagarinho
A nicotina desta vida
Numa janela perdida
Escondido, tão sozinho

Sobranceiro, abarco tudo
E tudo o que vejo… é meu!
Tudo me pertence neste mundo
E este mundo, sou eu
O mundo, mudo!


Porque eu sou tudo
Tão abrangente que sou
Sou também, o bem e o mal
A raiva e o despudor
O frémito, o vómito
Este luar, o ar e a dor…
O prazer parental
Sou eu, e apenas sou…
O mundo, mudo!

O fecundado no ventre
O aborto que gesticula
No comício, sou eu…
A raiva da esposa,
O ébrio que vocifera… pois sou!
O beijo de lascívia… é meu!
O abraço saudoso, também!

E tudo o que pensas pensar
Não penses…
Eu penso por ti
Porque tu és eu!
E em ti eu me revejo
Acordado a divagar!
Vigilante da noite
De teu breve sonhar!

Sou filho da Luz
E esta vive em tudo,
Por isso tudo é meu!
E tudo… sou eu!
Mudo, neste mundo, meu!

© Luís Monteiro da Cunha

5 Comentários:

Às 7/3/06 21:04 , Blogger Unknown disse...

Amigo este poema é fantático, adorei. beijinhos

 
Às 7/3/06 22:26 , Blogger António disse...

Aqui vai a minha interpretação deste magnífico poema.
A sensação de poder que aquilo que vemos na solidão e no silêncio da madrugada nos permite ter.
Penso que o li bem!
Se não o fiz podes dar-me uma...plaf...eh eh
Obrigado pela visita.

Um abraço

 
Às 7/3/06 22:54 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Adrika...

Obrigada querida amiga

Folgo em ver-te assim mais animadinha...

Bjinho

 
Às 7/3/06 22:57 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

António...

Olá caro amigo
Para quem não gosta de interpretar ou comentar poesia... ena,ena!!

Já chega de plafs nesta vida
Foram outros tempos, amigo
Não digo que foram melhores nem piores, mas que em certos aspectos até se resolviam as coisas...

Abraço

 
Às 9/3/06 19:37 , Blogger Raquel Vasconcelos disse...

Gostei da "tonalidade" forte das tuas palavras!

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial