14 dezembro 2005

Luís Monteiro da Cunha

Brotam palavras...

Porque brotam as palavras
Como cachoeiras…
Lançadas
De nascente
Indefinida,
Se nada de melhor
Nos trazem à vida!


© Luís Monteiro 14/12/05

Posted by: lmc

7 Comentários:

Às 14/12/05 18:20 , Blogger lena disse...

"palavras que brilham
perdidas,
serenas,
e
límpidas,
uma presença certa
de desejos,
pressentidos
no esplendor
de uma vida!"

para ti,
gosto de palavras que me dêem sentido à vida

este teu poema está lindo, muito lindo e como brotam as palavras...

beijinhos meus

lena

 
Às 14/12/05 22:10 , Anonymous Anónimo disse...

São palavras que brotam
para a vida
no curso da corrente
que de melhor
a vida tem.
Aqui fica fresquinha a minha resposta ao teu poema.
Tens aqui um bonito poema, quero "bis" nesse teu brotar de palavras. Beijinhos.

 
Às 15/12/05 00:44 , Blogger GNM disse...

Que belas palavras...

É sempre um enorme prazer visitar-te!

Fica bem...

 
Às 16/12/05 17:22 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Lena...

Estou ruborizado!!!!

Nunca me tinham dirigido assim um mimo! Obrigada.

Bom fim de semana

Bjinhos

 
Às 16/12/05 17:23 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Maria do Céu Costa...

Também está bem assim... gosto!

O bis... é que já é mais complicado.lol

Obrigada

Bom fim de semana

Bjinhos

 
Às 16/12/05 17:25 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

GNM...

Obrigado amigo.

Também gosto de te visitar, só lamento não te acompanhar devidamente, como mereces.

Bom fim de semana

Abraço

 
Às 16/12/05 22:27 , Anonymous Anónimo disse...

Uauu, temos poeta e do bons. Porque brotam palavras e de cachoeira. Lindo.

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial