07 maio 2006

Luís Monteiro da Cunha




Mãe

Pequena definição
de quem em si encerra:
O poder da afeição…
e da paz, na guerra

A luz da harmonia,
que ilumina e inebria

A força e a calma,
de aguentar a sua dor na alma

Manter-se num sorriso afável,
do seu coração inesgotável

Mesmo quando chora,
faz-se contente, na mesma hora

E avança…
para o eleito,
alegre como criança
Estreita-o no peito,

com carinho tanto,
que tem para dar
Se recebe uma flor…
e um sorriso,
abre-se para o amor
Como se fora ela,
uma janela,
de terna lufada de ar

Contagia até a natureza
e é na minha convicta certeza
O ser mais enigmático
que a essência contém

O segredo pragmático
do seu universo
Não se extrai
simplesmente neste verso

Só se apreende do peito de uma mãe.

© Luís Monteiro da Cunha


Dedico este verso, a todos... homens e mulheres...

Às mulheres, porque é óbvio, são as mães geradoras de vidas, e se não são ainda mães, têm o desejo natural de conceber... e também têm ou tiveram a sua mãe.

Aos homens... porque apesar de não serem mães, são no entanto os seus maiores amantes, idolatrando-as até, em muitos casos conhecidos.

E afinal... todos nós, homens e mulheres, nascemos da nossa Mãe, não é verdade?

7 Comentários:

Às 7/5/06 02:07 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Especialmente para ti, mãe...

A meia-noite era já vencida
Quando sussurrei ao ouvido
Um beijo e parabéns querida
Obrigada, sabes bem o motivo

E é claro que sabia,
Pois sorriu tão radiosa
Pareceu-me o sol a nascer
Antes do novo dia
Num precoce amanhecer
De tão bela e formosa
Desejou conceber
Nova manhã luzidia

Desfrutem deste dia especial e façam todas as mães, sentirem-se especiais... que são!

Beijos e abraços

Luís Monteiro da Cunha

 
Às 7/5/06 18:52 , Blogger maresia disse...

Eu não tenho o desejo de conceber, sou menos mulher ou menos mãe?

 
Às 7/5/06 20:13 , Blogger lena disse...

Luís conseguiste que chorasse, sim é um dia especial, como são todos para uma mãe e sem palavras deixo um abraço a todos as mães e um carino especial


para ti meu querido Poeta que me conseguiste tocar tanto, um abraço de ternura e beijinhos meus

lena

lena

 
Às 8/5/06 22:19 , Anonymous Anónimo disse...

Bufagato:

Bonito poema dedicado a esse ser maravilhoso e único, que é capaz de dar a sua vida pelos seus rebentos. Mãe, uma palavra tão pequena mas ao mesmo tempo a maior que o mundo tem! Obrigado e um abraço.

 
Às 8/5/06 22:19 , Anonymous Anónimo disse...

Bufagato:

Bonito poema dedicado a esse ser maravilhoso e único, que é capaz de dar a sua vida pelos seus rebentos. Mãe, uma palavra tão pequena mas ao mesmo tempo a maior que o mundo tem! Obrigado e um abraço.

 
Às 8/5/06 23:48 , Blogger Pink disse...

Belíssima homenagem neste Dia da Mãe. Comovente mesmo o que escreves neste post: desde o poema e a foto às notas de rodapé!

Um beijo

 
Às 10/5/06 03:05 , Blogger Kalinka disse...

Palavras para quê?
Já tudo foi dito.
Nestas situações fico mesmo sem saber o que dizer ou comentar.

Mas, mudando de assunto, convido-te a dares uma espreitadela no meu kalinka pois fiz uma pequena reportagem fotográfica (ehehehe), e gostaria da tua opinião, pode ser? Beijokas.

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial