30 novembro 2005

Luís Monteiro da Cunha

A Decisão... (12)


imagem daqui

.../...
- Ana... tenho um assunto muito sério para te falar. - Disse novamente a Dr.ª Isabel.
A visada continuou calada, olhando nos olhos da interlocutora, inquisitiva.
- Ando a pensar nisto à uns tempos... e é chegada a hora de te fazer umas perguntas muito importantes para mim...
Os olhos de Ana brilharam, expectantes.
- Sabes que sou viúva, e infelizmente o Sr. Engenheiro, meu falecido, não me honrou com a dádiva de filhos, Deus o tenha em descanso, motivo pelo que não tenho descendência. Poderia ter adoptado uma criança quando era mais nova, mas não o fizemos quando o engenheiro era vivo, sempre com a esperança de que um dia... e agora é tarde demais; já não o posso fazer. Gostaria de te fazer uma proposta... mas não sei como a receberás...
- Sou toda ouvidos, Dr.ª - Disse Ana.
- Pois... pensei muito... e.. como sabes, simpatizei contigo desde aquela tarde em que te conheci.
Só por isso é que te ofereci o emprego na firma, apesar de ter o quadro de pessoal completo.
Acho que foste sincera e verdadeira e portanto merecias uma oportunidade de endireitar a tua vida e assim conseguires serenar essa cabecinha que andava perdida, sem rumo definido.
Claro que depois acompanhei devidamente todo o teu trabalho e postura nos vários serviços, de que incumbi o Dr. Antunes para tos destinar.
Cada um mais difícil de realizar. Alguns até, sem que estivesses devidamente habilitada para os concretizar devido à sua especificidade.
A todos deste uma saída satisfatória e sempre os cumpriste cabalmente, apesar da dificuldade de cada um.
Mas para mim o mais importante... nunca deixaste de os cumprir, por mais dificeis que fossem, e tiveste sempre um sorriso nos lábios. Demonstraste assim uma alegria contagiante e contribuiste para uma boa relação laboral de inter-ajuda com as outras meninas.
Porque nesta casa, não admito intrigas ou futilidades exteriores ao serviço. Eu apoio e incentivo a camaradagem entre todas e por isso exijo a entreajuda, que tem de ser uma constante.
Ana escutava estupefacta, uma lágrima começava já a aflorar no canto do olho.
A Dr.ª Isabel não se deteve:
– Muito gostei de ver-te trabalhar assim, alegre e bem disposta, a dizer gracejos por tudo e por nada, contagiando quem estava próximo. Eu bem vi as gargalhadas que davam quando te ouviam... – A Dr.ª fez uma pausa. – Por isso mesmo, sou eu própria que recruto todas as meninas para o atelier de costura. Reparei que foste aceite por quase todas e algumas até procuram a tua companhia na hora de almoço, o que diz muito de ti. Não é verdade?
Ana aquiesceu com a cabeça, pois não conseguiu pronunciar qualquer palavra com a comoção que estava a sentir.



Fechado no gabinete, pensativo e melancólico, Jorge continuava abismado com o seu gesto, não encontrando solução imediata para o justificar.
Tentou animar-se e pensar outra coisa.
O que não tem solução, solucionado está.
Lembrou-se das palavras da Dr.ª:
“- Quanto à colecção “Nevada”… O Dr. não se esqueça de fazer como recomendei. Vai ver que ainda conseguimos salvar isto.”
Claro, a tarde estava a passar e ele ainda tinha de resolver o problema criado por Ana. Tanto que fazer e ele a recriminar-se.
Premiu um botão no intercomunicador, enquanto retirava da gaveta a pasta com o organograma da colecção “Nevada”, planeando efectuar as alterações necessárias conforme as indicações da Dr.ª Isabel, colocando-a sobre a secretária.
Levantou o auscultador do telefone, enquanto pensava na ideia da Dr.ª.
Torcia para que fosse aceite pelo cliente. Tinha quase a certeza que seria aceite. Afinal a ideia era fenomenal. Não chegou a completar a marcação do número.
Bateram à porta pedindo para entrar. Jorge lembrou-se que estava trancada e levantou-se abrindo-a de imediato. Mandou a D. Olga sentar-se defronte da sua secretária e explicou o que deveriam fazer para completar a colecção “Nevada”.
A encarregada ficou contente com o que ouvia e levantando-se a sorrir, quase não deu tempo de Jorge acabar as intruções.
- Ainda bem Dr., vou já providenciar tudo. As meninas vão ficar tão contentes!... - Disse, saindo rápidamente do gabinete.
Jorge também estava mais alegre.


O mundo de Ana, estava irreconhecível.
Quando pensava estar em ruínas e já sem saber como o reconstruir de novo, eis que aparece uma luz ao fundo do túnel.
Não se reconhecia a si própria.
Sempre fora forte e batalhadora e no entanto nas ultimas horas, verificou toda a sua fraqueza perante os imponderáveis das situações que em catadupas se lhe apresentaram e alteraram o sentido comum, fugindo ao seu controle.


- Bem... – Continuou a Dr.ª olhando, séria, Ana nos olhos - O que preciso de te perguntar é o seguinte... como não tenho filhos e segundo sei, não te dás muito bem com os teus pais... Têem os vossos problemas... achas que poderias encarar a possíbilidade de eu te adoptar?... Teria muita honra que fosses minha filha. Serias a minha herdeira natural e um dia, quando eu morrer, tudo isto seria teu. Sei que farias bom uso de tudo e continuarias assim a minha glória.
Ana estava boquiaberta. Ficou calada, sem saber que dizer.
- Não precisas responder de imediato. Pensa bem. Não te quero forçar... e sei que é uma decisão importante e difícil para ti. Mas eu necessito de saber agora, se pelo menos estás disposta a encarar e pensar nesta proposta...

.../...

© Guilherme Faria

Posted by: lmc

26 Comentários:

Às 30/11/05 00:41 , Blogger margusta disse...

Querido amigo,
...passei só para te deixar um beijinho.
Amanhã volto para te ler.

 
Às 30/11/05 00:46 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Lamento mas é impossivel...
tens de ler hoje...
é importante mesmo e não sabes o que perdes...lol

Beijos

 
Às 30/11/05 00:56 , Blogger margusta disse...

Ok,
..vontade feita..aqui estou de novo..lol

Pois..eu pensava que Ana ía ser estilista, mas pelos vistos ainda foi melhor....

Eu não me importava de tomar essa "Decisão"..lolololol

Juntando a tudo o Amor de Jorge...Ana vai ser finalmente feliz...penso..

Venha o próximo,

Beijinhos amigo

 
Às 30/11/05 10:46 , Blogger Dad disse...

Esta saída é muito estranha....não acredito nela....cheira-me a esturro! Ou será que vai sair assim uma tirada!
Não minha senhora eu jamais trocaria os meus pais pelo seu dinheiro!
ou será que o que ela quer é dinheiro?
Ou será que a outra é quase pedófila???
o Dr. Antunes ali continua como macho amargurado a carpir as mágoas de NADA!
Isto são as minhas antecipações mas vou continuar a ler a saga...
Bjito,

 
Às 30/11/05 11:14 , Blogger margusta disse...

A Dad tem razão, eu tb não trocaria os meus pais por dinheiro algum...jamais...
Ontem estava com sono...e e não me apercebi que com a adopção seria uma renuncia aos seus progenitores...
Foi no que deu a tua insistência amigo...lolol...texto lido á pressa...o soninho...falta de concentração..lolol
De qualquer modo a grande Decisão de Ana foi quando decediu sair de casa, e caminhar rumo a uma nova vida e ao desconhecido.
Beijinhos.

 
Às 30/11/05 14:27 , Anonymous Anónimo disse...

Já vai no doze?... Tou frita!... Se não li os outros onze achas que vou ler mais um?... Ná... faço como nas novelas, apanho só os últimos capítulos... Bom feriado, Gato bufador!...

 
Às 30/11/05 15:33 , Anonymous Anónimo disse...

Ó Bufagato, até eu queria passar por todas estas dificuldades. Com uma proposta destas meu amigo, não vacilava. Olha, chorava outra vez. Tá lindo tá, só quero ver onde isto vai parar... Um abraço.

 
Às 30/11/05 20:28 , Blogger Unknown disse...

Adopção?
Mas a Ana não é órfã, e por que raio a Dra. Isabel quer que ela seja sua filha? Não me digas que ela tem outros interesses! lol
E o coitado do Jorge, ainda a ruminar a culpa, o melhor é pores a Ana a dar-lhe outro kiss.
Boa continuação da história.
beijoca

 
Às 30/11/05 23:53 , Anonymous Anónimo disse...

Ainda não perdi um texto e continuo desconfiada com a Drª Isabel... Filha adoptiva? Hummm! Beijo

 
Às 1/12/05 01:15 , Anonymous Anónimo disse...

Não me digas, ó Bufagato, que a senhora "doutoura" também é daquelas viúvas que põem flores de plástico na campa do senhor engenheiro, deus o tenha em eterno descanso que nós por cá vamos andando na graça do senhor... porque será, hem? Sim... porque será?... E se o falecido senhor engenheiro, não a honrou, desonrou-a?... Rôda-se no bicho, que era pior que galego.... ehe,ehe,ehe... Abraço!

 
Às 1/12/05 12:40 , Blogger lena disse...

esta novidade deixou-me espantada, uma adopção?
bem tudo é possivel neste mundoou ou há algo neste mistério, conhecendo eu os meus pais e com a idade que imagino a Ana, não seria capaz de os trocar por nada, mesmo que a minha relação não fossse boa, mas isso sou eu a pensar alto.
O Dr. Jorge tem que ser abanado, tem um ar abatido, anda ali uma paixão certamente.
vou ficar mais atenta à dra Isabel e pensar o que quer ela da Ana

estás a prender-me cada vez mais a este desenrolar de acontecimentos,
parabéns uma vez mais pela forma como escreves

beijinhos

lena

 
Às 1/12/05 16:08 , Blogger Fragmentos Betty Martins disse...

Bom eu já vou no (8)mas não resisti e dei uma olhadela no (12) está a ficar muito interessante!!!

Vou continuar com a leitura, não quero ficar para trás.

Estou a gostar... estou, estou :)

Beijinhos

 
Às 1/12/05 17:29 , Blogger agua_quente disse...

Ai, que isto está a avançar numa direcção que eu não esperava. Esta da adopção... foi uma surpresa. Estou super curiosa! :))
Beijos

 
Às 1/12/05 22:48 , Anonymous Anónimo disse...

Agora deixaste-me sem piu. Estou rouca. Quer dizer, as patasestão geladas e não sei se vou conseguir escrever alguma coisa de jeito. "Adopção" é um conceito que normalmente deriva de um acto de tomar conta de alguem menor que não tem ninguem que olhe por ele, não é? Adoptar a Ana? A S.Dra será boa samaritana mas tem que ser informada que pode fazer o testamento à vontade e tomar conta da Ana, no aspecto material e espiritual, sem precisar de lhe chamar filha (pelo menos enquanto o Eng. Sócrates não mudar a lei testamentária).

 
Às 2/12/05 00:16 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Dad...

Hahaha!
Espirituosa...hem?
Gostei desses pensamentos.

Bjinhos

 
Às 2/12/05 00:18 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Margusta...

O cansaço e a pressa são inimigos da perfeição. lol

Também foi uma decisão arriscada, para futuro incerto.

Beijoss

 
Às 2/12/05 00:21 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Animaleja...

Querida madrinha...
Os óculos já não são o que eram...
eu compreendo. lol

Bjinhos

 
Às 2/12/05 00:22 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Soslayo...

Hehehe...

Não sei se seria assim...

Eu acho que isto só pára no fim.lol

Vamos ver o que ainda vai acontecer.

Abraço

 
Às 2/12/05 01:33 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Sona...

Hehehe

Isto hoje é só sorrisos.lol

Talvez a tua sugestão se comprove... a ver vamos.

Bjinhos

 
Às 2/12/05 01:45 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

A Papoila...

Obrigado pela dedicação.

A Drª Isabel... ficou-te atrás da orelha...


Bjinhos

 
Às 2/12/05 01:49 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Castor...

Sempre espirituoso o meu roedor das caçarolas, preferido...lol

Rôda-se que hoje deste bem na bubida, aquelas com sombrinha e tudo... ou serão flores de plástico? Hehehe

Abraço

 
Às 2/12/05 01:52 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Palavras que escrevo...

Tens razão o Jorge anda um pouco abatido, coitadito...

Mas a vida dá muitas voltas e reviravoltas, como está a acontecer com a Ana...
Nunca se sabe...

Bjinhos

 
Às 2/12/05 12:15 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Betty Branco Martins...

Bem vinda, a este cantinho de emoções.

Obrigado por acompanhar a saga da Ana, que é a de todos nós...
Ainda veio a tempo... obrigada

Bjinho

 
Às 2/12/05 12:16 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Agua quente...

E esta hemmm? lol

Surpreendida?

obrigada

bjinho

 
Às 2/12/05 12:18 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Mocho...

Olá mochinha mailinda...

Se calhar não é bem assim...

Verás porquê...


bjinho

 
Às 3/12/05 00:21 , Blogger Cristina disse...

Hummm assim tão fácil a querer adoptar a Ana?...
Vou continuar a ler
:)

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial