28 novembro 2005

Luís Monteiro da Cunha

A Decisão... (11)


.../...
Entretanto, encostada na ombreira da porta, com um copo na mão, a Dr.ª Isabel presenciara tudo silenciosa e sorridente.
Lentamente aproximou-se do canapé e sorridente ainda, sentou-se junto de Ana.
Esta olhou-a envergonhada, perdendo o sorriso com que ofertara o Dr. Antunes.
- Vá lá menina. – Disse Isabel com um sorriso trocista. – Levante-se daí, que são horas de tratar da sua vida....
- Doutora, desculpe tudo isto... eu não queria... – desculpou-se Ana.
- Eu sei!... Ai esta juventude! – disse, enquanto a ajudava a levantar-se um pouco. – Num momento estão a morrer de desgosto e a seguir... estão aos beijos... Hahaha. – Disse rindo-se.
Ana ficou calada.
Recordava agora que fora despedida.
- Então.. Estás bem?...Já estás recuperada?
- Já estou bem, obrigada, Dr.ª. – Respondeu Ana.
- Sendo assim, podemos conversar agora de coisas sérias?
- Claro Dr.ª... Eu sei que causei um prejuízo enorme. Nunca poderei pagar a divida que tenho para com a Dr.ª e para com a firma. Ainda para mais, agora que estou despedida! Não sei como vou poder...
- Vá! Cala-te lá um bocadinho e deixa-me falar. A primeira coisa que tenho para te dizer é esta: Quem te despediu?... – disse olhando-a nos olhos e fazendo uma breve pausa. – Eu não fui! Não me ouviste sequer falar em despedimento de alguém. Por acaso falei em despedimento?
- Mas Dr.ª, depois do que fiz... do que se passou no gabinete do Dr. Antunes, pensei... – Disse Ana surpreendida.
- Muito pensas tu menina... mas nem sempre acertas. Por acaso achas que te deixava ir assim... sem tentar pelo menos reaver o meu investimento da melhor maneira possivel? Estás muito enganada. A menina ainda não sabe do que sou capaz.Não costumo apostar em cavalos cansados. Quando aposto é para ganhar e sempre espero o retorno da aposta! Com lucro se possível! – Disse, enquanto se sorria, continuando de imediato. – De qualquer maneira... um erro ou distracção qualquer uma das minhas meninas pode ter. Não é a primeira vez que isto sucede. Erros na elaboração das peças ou do artigo sempre haverão e sempre arranjamos maneira de resolver os assuntos a contento da firma e dos clientes.
- Mas... como a Dr.ª me conduziu para os escritórios, pensava que era para fazer contas comigo...
- Não deves julgar tudo que ouves ou vês, pelas primeiras impressões que te possam causar, ou pelo que julgas saber... Deves aprender a escutar, ver e a analisar cada facto objectiva e sucintamente. Aprende a colocar o coração de lado quando os assuntos nada têm de amoroso e não terás tantos dissabores na vida.
- Sim mas... falou com o Dr. Antunes... que eu estava livre para trabalhar onde quisesse...
- E por acaso, não és livre de trabalhar onde quiseres?... Estou enganada?
- Bem... não! É verdade que posso trabalhar onde quiser... mas depois do que ouvi, pensei...
- Já disse que pensas muito. E quando te deixas absorver pelos teus pensamentos, perdes a lucidez e vontade própria. Vamos então conversar, agora a sério. Está bem?
- Claro. – Disse Ana incrédula, mas mais animada. – Sou toda ouvidos.
Levantando-se, a Dr.ª Isabel fez uma pausa como se ordenasse as ideias, convidando Ana a sentar-se no cadeirão defronte da sua secretária, enquanto esta fazia o mesmo na sua poltrona.
Ana estava abismada, sem saber o que se passava... os acontecimentos vividos e toda a sua vida alterava-se de momento a momento, sem que tivesse o poder de a manobrar.
Sentia-se como marioneta.
Não gostava de se sentir assim.
Mas sentia-se impotente neste momento para assumir o controle da mesma.
Abandonou-se então aos desígnios da Dr.ª Isabel.
Preparou-se para escutar ansiosa e atentamente o que esta tinha para lhe dizer.


Jorge saiu do gabinete da Dr.ª Isabel, revoltado consigo mesmo.
Vociferava para si, palavras ininteligíveis.
Como fora capaz de se aproveitar de uma mulher indefesa?
Sentia-se um energúmeno. Vil, abjecto.
Trancou-se no seu gabinete, fechando-se no interior.
Necessitava de pensar e não queria ser incomodado.
Não podia trabalhar sem ordenar as suas ideias.
Como poderia interessar-se por uma miúda?
Sim... porque não passava de uma miúda... bonita é certo.
Apesar de ter corpo de mulher bem formada, sempre tinha menos dez anos que ele.
Podia até, ser acusado de assédio sexual.
Já tinha ouvido falar disso a colegas, os quais ouviram histórias de outros que acabaram por ser despedidos das firmas. Hoje, ninguém sabia onde paravam, despareceram pura e simplesmente de circulação.
Resolveu fazer uma introspecção.
Porque tinha sucedido?
Quais as causas?
O que o levou a beijar Ana, quando esta estava inanimada?
Raios... - Pensou – Como sou estúpido. Ás vezes pareço um adolescente.

Pensou bastante, mas a angustia e a vergonha não o abandonaram.
.../...

© Guilherme Faria

Posted by: lmc

29 Comentários:

Às 28/11/05 05:21 , Anonymous Anónimo disse...

Li-te num instante, pois já ando a acompanhar a história há uns tempos.
É um gosto ver escrever assim. Um beijo e até mais logo..

 
Às 28/11/05 13:16 , Blogger Unknown disse...

Olá bufagato!
Fiquei toda contente por aqui vir e acabar por ler 2 capítulos, he, he, he.
E estou a gostar do rumo das coisas, o possível romance entre a Ana e o Jorge. A malandra é fesca e o coitado do homem a recriminar-se...

nota: este f-d-s foi de arrasar, estou completamente "partida", a apanha foi valente, da azeitona :-)
Até daqui a pouco...
beijoca

 
Às 28/11/05 13:32 , Anonymous Anónimo disse...

O escrito vale pelas sensações que os intervenientes vão tendo porque é mesmo ficção! Não acredito em que qualquer escritório do nosso país esta história fosse possível...neste momento era mais uma desempregada e pronto!

 
Às 28/11/05 17:50 , Blogger Unknown disse...

Adoro ler-te meu amigo na escrita que me é dada a ler por ti escrita é fascinante.
beijinhos

 
Às 28/11/05 18:25 , Anonymous Anónimo disse...

Olá.
Estas a escrever um romance.
Tenho de começar no 1º capitulo, pois já vais no 11º.
Mas não vai ser agora, fica para mais tarde, mas vou ler podes apostar que sim.
Uma boa semana para ti.
amil

 
Às 28/11/05 19:08 , Blogger soslayo disse...

As coisas já estão se recomponde mais, estou a gostar do rumo que leva e cada vez mais interessado no desenlace desta história.

 
Às 28/11/05 21:11 , Anonymous Anónimo disse...

Na verdade nunca se falou em despedimento! Estou a ficar entusiasmada com a leitura, e com o denrolar do enredo... Coitado do Dr.Antunes que ainda se julga o culpado da "ousadia" da Ana...!

 
Às 28/11/05 23:11 , Anonymous Anónimo disse...

As complicações sentimentais que por vezes temos que passar quando, no fundo, é tudo tão simples, não é? O que vale é que, em matéria de coração, existe uma onda quimica que, quando é mútua, envolve as pessoas e fá-las atrairem-se, como um iman. Assim, prevejo um final feliz para aqueles 2, com a Dra. Isabel a apadrinhar a relação. A história está mesmo muito gira e fácil de prender e cativar. Bicadinhas e fica bem.

 
Às 29/11/05 11:16 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Lazuli...

Ainda bem que te cativei.

Bjinhos

 
Às 29/11/05 11:19 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Sona...

Acreditas que se passam muitas situações destas na vida real?
E nos dias de hoje, com a emancipação da mulher...
Alguns homens continuam com a mente atrasada e quando acontecem coisas assim... recriminam-se.
Não vêem o óbvio!

Tiveste uma colheita e pêras (afinal eram azeitonas. lol)...

Bjinhos

 
Às 29/11/05 11:25 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Marta...

Seria o óbvio não? Desemprego com ela...

Mas olha que ainda acontecem situações destas... se acompanhares saberás porque acontece assim... tudo tem uma explicação e nem sempre o mais óbvio é o que acontece e tudo tem explicação!

Acompanha o resto e dirás depois qualquer coisa.

Outra coisa... quase tudo o que lês aqui faz parte do imaginário, mas assente em factos reais e conhecidos/vividos.

Obrigada pelo teu comentário.

Bjinhos

 
Às 29/11/05 11:26 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Adryka...

A minha guerreira da vida...

Obrigada por acompanhares.

beijo fofo e muita força para ti.

 
Às 29/11/05 11:28 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Amil...

Caro padrinho, tem andado fugidio.lol

Depois diga-nos o que achou.
Queremos saber...

Abraço

 
Às 29/11/05 11:29 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Soslayo...

Ainda bem que as coisas começam a compôr-se...

Obrigado

Abraço

 
Às 29/11/05 11:31 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Maria papoila...

Se tivessem lido com atenção, ficavam logo com a pulga atrás da orelha... lol

Ainda existem homens assim...
como já disse à Sona...

Bjinhos

 
Às 29/11/05 11:32 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Mocho...

A minha mochinha preferida!

Tens razão e possivelmente sucederá isso mesmo...
A ver vamos, torço por eles...

Obrigada

bjinhos

 
Às 29/11/05 12:49 , Blogger António disse...

Obrigado pela visita ao meu blog.

Ainda não comecei a ler a tua novela.
Ando pre-ocupado com outras coisas.
Mas lá virá o dia...

Um abraço

 
Às 29/11/05 15:10 , Blogger Fragmentos Betty Martins disse...

Agradeço a tua visita... e palavras. Agora que sabes o caminho - Volta sempre :)

Vou conhecer a tua "casa" que me parece que é muito do meu agrado.

Vou "passear" nas tua escrita.

Fica a promessa que voltarei :)

Um beijo

 
Às 29/11/05 21:36 , Blogger lena disse...

fiquei presa à história, à Ana, à Dr. Isabel e quem sabe ao "charmoso" Dr. Jorge que ainda nos tem muito para revelar,
para não falar em ti, narrador cinco estrelas, que me prendes e cativas pela sua forma de escrever

e estou já sentada para ler mais e mais

beijinhos

lena

 
Às 29/11/05 23:48 , Blogger margusta disse...

Olá querido amigo,
...continuo a seguir a "Decisão" com bastante interesse...
A Drª Isabel está a fazer sofrer a pobre da Ana...coitada...Vá lá Sr.Guilherme Faria, quando é que a Ana tem uma boa notícia?

Quanto ao Jorge é assim _ Estás apaixonado meu caro..vamos lá enfrentar isso...

Beijinhos fofos.

 
Às 30/11/05 00:11 , Blogger Que Bem Cheira A Maresia disse...

Mais uma actualização e mais uma vontade imensa de ler a próxima decisão :)

Beijo grande da Lina/Mar Revolto

 
Às 30/11/05 00:21 , Anonymous Anónimo disse...

Só espero que em seguimento a Ana tenha um final feliz porque a pobre rapariga vive em sobressalto, são só peripécias mas cá para mim, isto vai acabar bem. :)

 
Às 30/11/05 01:14 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

António...

Eu sei, caro amigo, mas tudo se resolverá, verás.

Abraço

 
Às 30/11/05 01:23 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Betty Branco Martins...

Está á vontade
My casa es tu casa.lol

Volte sempre.

Bjinho

 
Às 30/11/05 01:24 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Palavras que escrevo...

Continua então sentada,
porque já tens mais um para ler... lol

Obrigada

Bjinho

 
Às 30/11/05 01:30 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Margusta...

Já faltou mais...

Não á tempestade que sempre dure... Nem bonança que não se acabe.

Eu também acho..._Mas é necessário coragem e determinação para se afirmar isso e é necessário estar convicto dos sentimentos... para os enfrentar e aguentar consequências...

Beijos

 
Às 30/11/05 01:33 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Aromas do mar...

Lina!
Faça-se a tua vontade...
Tens mais um capitulo para ler, acabadinho de sair da gráfica.lol

Obrigada.


Bjinhos

 
Às 30/11/05 01:35 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Gaivota da Ria...

Olá querida amiga, sente-se e sinta-se em casa.

Eu também espero que acabe tudo bem e se ler o próximo penso que ficará satisfeita. lol

Bjinhos

 
Às 3/12/05 00:21 , Blogger Cristina disse...

Mais uma vez com curiosidade para o que vem a seguir
:)
Vou agora ler, pois ando atrasada
:)

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial