27 outubro 2006

Luís Monteiro da Cunha

Puro deslumbramento

Palhota

foto: Bufagato/2006




Gatinhando, gatinhando…
Alcançou a grande janela e a enorme cortina.
Arranhou-a e lentamente, puxando-a, subiu
por ela acima
até alcançar o peitoril, onde se apoiou, e viu...

Belos pássaros, de asas brancas que dançavam
e a espaços, alegres cantavam.
Fofas nuvens que dormitavam, mesmo por cima
do laranjal da quinta.
O lavrador trabalha no campo, amarrando molhos
de palha, extravagantes.
Uma borboleta deambulava na vidraça e queria
por instantes, entrar, para descansar na saleta.

A tudo, o menino batia palmas de alegria, e mais
Batia, feliz, quando a borboleta, fugia da sombra
da sua infantil careta de petiz.
Deslumbrado e cansado, adormeceu no peitoril,
embalado, contudo, nas asas do anjo que o ninava,
e protegia deste mundo vil, no sonho profundo.


Luís Monteiro da Cunha

Etiquetas:

12 Comentários:

Às 27/10/06 17:21 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Bom fim de semana
e bons passeios
aproveitando este sol lindo!

 
Às 28/10/06 01:43 , Blogger margusta disse...

Olá Luís,
...Ternura, Inocência e Pureza...tudo isso encontro no teu poema...Lindo!

Pura é tb a imagem o Minho...o meu doce Minho!...Obrigada por este momento!

Bom fim de semana e que sejas sempre muito Feliz!!!

 
Às 28/10/06 22:11 , Blogger aavozaida disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
Às 28/10/06 22:13 , Blogger aavozaida disse...

Necessariamente...
Andava por ali um gato, gatinhando...não ficou na objectiva, mas ele havia de andar por ali, misterioso, em passinhos de lã.
De mansinho, talvez...
Zaida

 
Às 28/10/06 22:27 , Blogger aavozaida disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
Às 28/10/06 22:28 , Blogger a d´almeida nunes disse...

Luís
Passo com frequência por este sítio...
E sinto-me a acompanhar o Rio Douro, pela margem direita, desde a Ribeira até ao mar, seguindo até ao Castelo do Queijo.
Viagem de eléctrico, outra vezes a pé.
Há tantos anos!...
Tenho que ir ao Porto quanto antes. E ficar na cidade e arredores, rever a zona do Seixo,como estará, ao fim de 50 anos?
Ainda se pode passar a pé na Ponte D. Luís? Nem sei, acho que fizeram umas alterações, mas concerteza que ainda se poderá passar a pé. No tabuleiro superior, claro!
Em direcção a Gaia!
Gaia/Porto, de manhãzinha!
Porto/Gaia, ao fim do dia!
Olhar na direcção da Arrábida e do mar!
Olhar a Sra. do Pilar!
...
Desculpa lá, Luís! Desculpem os leitores!
Que grande maçada, não?
Tudo isto que não vem nada a propósito deste teu belíssimo poema ilustrado por esta nostálgica fotografia!
Um grande abraço
antonio

 
Às 30/10/06 20:06 , Blogger Minhoca (moi-meme aussi...hoin,hoin) disse...

Só mesmo o sonho pode ter a capacidade de proteger...é bem verdade. O poema é soberbo. A fotografia transmite um ambiente saudável, puro, provincial...Abraço.

 
Às 31/10/06 01:44 , Blogger Pink disse...

Poema lindíssimo de uma ternura extrema que me proporcionou também a mim um momento de puro deslumbramento. Obrigada :-)

Um beijo

 
Às 3/11/06 18:57 , Blogger Arte por um Canudo 2 (No Sapo) disse...

Lindissimo poema.Sonho de uma criança ou mão que embala o menino protejendo-o do mundo vil.Não sei só sei que gostei.Abraço

 
Às 4/11/06 21:46 , Blogger VdeAlmeida disse...

A poesia está bela, mas a foto deixou-me realmente espantado
Um abraço :-)

 
Às 6/11/06 11:44 , Blogger S disse...

Linda foto Luis, belissimo poema.
Enterneceste-me com as tuas palavras... fiquei a imaginar o meu próprio pequerrucho nesse cenário, adormecendo suavemente!
Bjs,
S

 
Às 7/11/06 00:19 , Blogger João JR disse...

Olá Luis,
Adorei este teu poema!!
E o norte de Portugal tem as paisagens mais lindas que se pode ver. Conheço bem, pois o meu lado paterno é nortenho, de Trás-os-montes, de uma linda vila - Vila Flor, deves conhecer..bem perto de Mirandela.
beijinhos grandes

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial