16 novembro 2005

Luís Monteiro da Cunha

A Decisão... (5)


.../...
Era com sofreguidão que absorvia cada paisagem que passava veloz pela vidraça do Alfa. Estava a chegar ao Porto, segundo foi anunciado pelo intercomunicador da composição. Preparou-se para sair, apertando a pequena mala ao peito. Sentiu o freio da locomotiva que atravessara languidamente o túnel escuro, desembocando na estação de S. Bento. Caminhou no cais seguindo os companheiros de viagem, olhando furtivamente o tecto de vidraças que pareciam já seculares. No átrio da estação, parou deslumbrada a observar os motivos existentes nos painéis de azulejos que ornamentam o átrio da estação, de cores azuis esbatidos, mas cheios de significado. Viu ali o labor portuense representado com minúcia. Sentiu-se criança de novo. Abismada, nem reparava nas pessoas que passavam a correr alheias ao seu deslumbramento. Chegou a uma das portas existentes e hesitou. Qual o rumo a seguir? Esquerda ou direita? Pela primeira vez olhou os prédios da cidade. Pareceu-lhe uma cidade velha, bafienta, quase sem cor. No entanto, esta era viva, via-se pelo trânsito caótico e pelo mar de gente que calcorreava os seus passeios numa azáfama indescritível. Após um suspiro, ganhou coragem e enfrentou a cidade.


- Menina Anaaa!
A visada ficou como que petrificada. O sangue gelou nas veias. Ficava sempre assim, quando aquela voz gutural do Dr. Antunes se dirigia à sua pessoa.
- És surda… ou quê? Vem imediatamente ao meu gabinete! – Ordenou do alto do seu aposento.
Ao primeiro grito, todo o atelier parou o que estava a fazer para olharem a “ nova” como lhe chamavam. Naquele momento desejou ser um mosquito para poder sair dali sem ninguém a ver.
Lentamente, entre sorrisos de troça e outros de solidariedade, encorajando-a, subiu os quatro degraus em direcção do gabinete envidraçado, de onde o Dr. Antunes controlava cada movimento das operárias no piso inferior.
- Que se passa contigo? – Gritou – É estúpida ou quê? Deves ter algum parafuso a menos. Sabes o que fizeste?
As lágrimas começaram a correr pelas faces de Ana.
- Não vale a pena chorar. Não me comovo com choros. Foste longe demais! – Ana nem balbuciou – Desta vez foram cento e cinquenta peças para o lixo.
- Desculpe Dr.
- Desta vez não tens desculpa. Nem a tua madrinha te salva. Vou comunicar à Dr.ª Isabel e de certeza que desta vez vais para o olho da rua. Já te tinha avisado.
A simples menção do nome da Dr.ª Isabel, fez com que Ana se prostrasse no chão em choro convulsivo enquanto pedia perdão.
- Lamento Ana. – Disse já mais calmo – Já mandei chamar a Dr.ª para resolver este problema contigo. Vá levanta-te. – Enquanto lhe oferecia uma mão. - Não te quero mal rapariga. Mas és muito aluada. Vá, senta-te aqui e espera pela Drª – Chegando-lhe um cadeirão.
.../...

© Guilherme Faria

23 Comentários:

Às 16/11/05 14:20 , Blogger Carlota disse...

As primeiras frases do texto parecem ser escritas sobre mim há 8 anos atrás. Só que eu fiquei na estação de Campanhã. O Alfa das 2ªs feiras às 8h05m...É sempre bom recordar, mesmo que seja para não cairmos nos mesmos erros. Obrigada. Jinhos

 
Às 16/11/05 23:25 , Blogger margusta disse...

Vim deixar um beijinho...
Que irá acontecer a Ana?....

 
Às 16/11/05 23:36 , Blogger Å®t Øf £övë disse...

É a primeira vez que cá venho e gostei do que por cá encontrei.
Quanto à história, devo dizer que é bom sonhar, mas nem tanto assim.
Abraço.

 
Às 17/11/05 03:50 , Anonymous Anónimo disse...

estou a seguir a Decisão com todo o interesse. Sabes contar bem. Volto mais logo. Um beijo.

 
Às 17/11/05 10:40 , Anonymous Anónimo disse...

Seguindo a leitura e á espera da decisão. Beijinhos.

 
Às 17/11/05 11:43 , Blogger Unknown disse...

Tenho de continuar, pois noto que isto vai dar novela, estou a gostar, voltarei. Beijinhos para ti

 
Às 17/11/05 12:50 , Blogger Cristina disse...

olá,
vim aqui agora de passagem, estou de saída para o serviço, mas volto, pois vejo que já tens alguns episódios para eu ler
:)
até mais logo
beijinhu

 
Às 17/11/05 17:52 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Carlota...

Ainda bem, que te revês... é sempre bom recordar e como dizes aprender com a vida...

Quem agradece sou eu...

Bjinho

 
Às 17/11/05 17:53 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Margusta...

Só o futuro o dirá...
Nem eu que transcrevo, o sei...

Fica bem,

Bjinho

 
Às 17/11/05 17:59 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Art_of_love...

Seja bem vindo a este humilde cantinho, se gostou, espero que volte...
A história... a ver vamos, se é sonho ou realidade.

Abraço

 
Às 17/11/05 18:00 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Lazuli...

Obrigado, laz...

Até logo então.

Bjinho

 
Às 17/11/05 18:01 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Maria do Céu Costa...

Obrigada
pelo interesse...
Tudo de bom.
Bjinho

 
Às 17/11/05 18:05 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Adryka...

Olá amiga,
gostei de ler sobre o teu 1º pretendente, lol

Obrigada

Bjinho

 
Às 17/11/05 18:06 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Nita4ever...

Bom trabalho.
Até mais logo então

Bjinho

 
Às 17/11/05 18:52 , Blogger Unknown disse...

Passo por aqui e deixo-te um beijinho e o incentivo para te deixar a escrever mais um episódio da "A Decisão". Não faças a Ana chorar demais. E põe o patrão dela a escorregar e cair para ser alvo de chacota, eu gostava.
beijoca

 
Às 17/11/05 18:57 , Blogger Unknown disse...

Também adoro o nome ANA, bem escolhido.
outro beijo
nota: sabes da alex?

 
Às 17/11/05 21:55 , Blogger lena disse...

A curiosidade trouxe-me até aqui, sentei-me num cantinho e li “A Decisão...” confesso que gostei e fiquei presa ao desenrolar dos acontecimentos.agora que irá acontecer à Ana? vou voltar para ler, até lá fico ansiosa

beijinhos

lena

 
Às 17/11/05 23:21 , Blogger S disse...

Tentei conter os comentários e a leitura, para ter o prazer de ler a história do princípio ao fim.
Não consegui... A curiosidade ia-me matando!
Estou agora a ter o fantástico prazer de aguardar pelo capítulo seguinte.

Obrigada Luis, pelo excelente texto, excelente história, fantástica narrativa.

Bjs grandes,
S

 
Às 18/11/05 00:11 , Anonymous Anónimo disse...

Escreves muito bem. Parabéns. É uma história bem escrita e que cativa quem lê. As personagens prendem a atenção, e formam elas próprias o cenário, porque são ricas de conteúdo e muito empenhadas emocionalmente; O que pode desejar mais uma pessoa que gosta de escrever? Vou continuar a seguir, de forma muito interessada, a história da Ana e o seu drama. Bicadinhas e fica bem.

 
Às 19/11/05 12:13 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Sona...

Ainda bem que gostas...
da história... e do nome da nossa protagonista principal...

Beijinho

 
Às 19/11/05 12:15 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Palavras que escrevo...

Obrigado por gostares e acompanhares.

Adorei a tua cabana...

Bjinho

 
Às 19/11/05 12:17 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Sofes...

Bem regressada...

Obrigado pela visita e por essa curiosidade... lol

Bjinhos

 
Às 19/11/05 12:21 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Mocho...

Obrigada por todos os elogios, mas não está perfeita, existem várias gralhas, mas como está a ser escrita e postada quase sem tempo de limpar e corrigir, desde já peço desculpa por esta minha falha.
Mas não quero falhar a data de postar e deixar-vos na expectativa.


Bjinho

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial