25 outubro 2005

Luís Monteiro da Cunha

Esteve um dia tão lindo!


Estava em plena cavaqueira com casais amigos, a desfrutar do ar livre e puro.
Éramos brindados com os últimos raios solares do dia.
Nisto, noto que pé ante pé, acerca-se de nós uma garota. Teria cerca de oito anos, no máximo nove. Olhar triste. Roupas em desalinho. Uma ranheta, mal assoada no canto do nariz, prenuncio de constipação ou obstipação. Cabelos negros, compridos. Um rosto que denotava enfadonho e tristeza. Cansaço. Olhos negros como carvão, mortiços, de quem não espera nada da vida. Acerca-se do grupo e timidamente estende a mão direita, suspendendo um molho de pensos. De imediato alguém com voz de enfado e autoritário brada:
- Já compramos! Não queremos nada. Pira-te.
A menina, submissa e sem articular qualquer palavra, volta-se lentamente para se retirar, talvez maldizendo a pessoa que tão rudemente a interpelou, quando lhe toquei no ombro e perguntei o preço dos pensos. Imediatamente deu um passo para trás, fugindo da minha proximidade. Não contava que a interpelasse. Olhou-me de olhos esbugalhados e inquiridores, pensando talvez que eu iria gozar com a situação.
- Um Euro a dúzia. Balbuciou, de olhos no chão.
Pedi-lhe meia dúzia e dei-lhe a única moeda de dois Euros que tinha, dizendo-lhe para guardar o troco. Olhou-me nos olhos por três segundos. Não se fez rogada e de imediato abandonou o local ligeira. Volvidos alguns metros, voltou-se e fitou-me com um olhar de agradecimento que me fez feliz, desaparecendo de seguida.
Claro que o tema da conversa, passou a ser a minha pessoa e a ciganita. Aguentei como pude o teor brejeiro e jocoso, mas não me livrei de ser adjectivado de sonso e outros que não interessam.
Interessou-me mais saber que a miúda pelo menos não voltava para junto dos pais sem vender nada e sem dinheiro. Terei feito bem...
Estarei, como fui acusado, a ajudar a manter a situação destas crianças, que estão a ser exploradas pelos pais? Possivelmente, chamem-me o quiserem...
Mas pelo menos fiquei de bem comigo e... aqueles últimos raios solares souberam-me tão bem... Esteve um dia tão lindo!

lmc

13 Comentários:

Às 25/10/05 04:33 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Pensando bem... fui egoista, a miúda deu-me muito... mais do que dei a ela.

 
Às 25/10/05 09:23 , Anonymous Anónimo disse...

É verdade Luís, a miúda deu-te um final de dia lindo. Que importam as vozes de quem não sabe dar valor ao mundo que o rodeia, ao estender da mão, à necessidade do pão?! Nem todas as casas têm a sorte de estarem recheadas com tudo, há casas onde o tudo é tão pouco que é vê-los nas lixeiras há procura dos excessos de quem muito têm. Podem ter muito mas não têm aquilo que é essência da vida, um coração grande como o teu para poder ajudar a mão que se te estendeu. Aqui, nesta manhã, está nevoeiro, talvez o dia acabe com um raio de sol que te restou desse teu lindo dia. Um abraço e prazer em te conhecer! :)

 
Às 25/10/05 09:36 , Blogger Unknown disse...

Olá amigo estivea ler o teu post com prazer de quem come um delicioso bolo, sabes eu também já tenho passado por situações semalhantes, e sempre sou"gozada " por todos, mas vou ser sempre assim nunca me arrependo de fazer bem. Beijinhos amigo

 
Às 25/10/05 10:24 , Blogger margusta disse...

Olá amigo
Adorei ler-te...foi muito bonito o teu gesto, não era por tu deixares de dar dinheiro á míuda que este tipo de situações vai acabar.
Assim sabes que ao menos lhe alivias-te o dia, porque se é explorada pelos pais...ao menos não ouviu um ralhete no fim do dia porque não levou dinheiro para casa. Se existe coisa que me deixa muito triste é o sofrimento das crianças.
Nunca te arrependas de fazer o bem....e tens razão o teu acto deixou-te mais rico, porque é tão bom quando fazemos o bem..fica-se com aquela sensação de aconchego no coração, que nos deixa felizes..
Um beijinho amigo.

 
Às 25/10/05 11:09 , Blogger S disse...

Olá Luis,
Passei só de fugida para deixar um beijinho, já vi que o teu Blog tem "roupinha nova" e que há muitas novidades, mas ainda não é desta que tenho tempo de ler tudo.

É verdade, também me deparo muitas vezes com situações destas que retratas aqui... nem sempre dou, nem sempre compro, fico muitas vezes na dúvida sobre dar ou não. Mas tu tiveste um gesto bonito, aliviaste o teu coração e recebeste em troca o alívio de ter praticado um belo gesto, mesmo indo contra a maré.
Beijinho grande,
S

 
Às 25/10/05 17:08 , Blogger ponto azul disse...

Ainda bem que ela te deu um bom fim de dia...é melhor não opinar, como já estive em situações estranhas relacionadas com crianças ciganas...Bjs

 
Às 25/10/05 18:01 , Blogger um estranho disse...

Porque será que não me surpreende o que acabei de ler?

 
Às 25/10/05 18:52 , Blogger Unknown disse...

bufagato
O meu dia ficou mais feliz pelo teu gesto.
beijoca

 
Às 25/10/05 23:05 , Blogger agua_quente disse...

Para quê questionar tudo isso, na verdade? Fizeste o que o coração te mandou e sentiste-te de bem contigo. Está tudo certo. :) E eu adorei ler.
Beijos

 
Às 25/10/05 23:21 , Blogger V disse...

Pequenos gestos que nos enche a alma.
Beijinhos

 
Às 25/10/05 23:44 , Anonymous Anónimo disse...

Como com tão pouca coisa se pode fazer algo tão importante e lindo. Beijinhos.

 
Às 26/10/05 20:20 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Abstenho-me de comentar os vossos comments, por motivos óbvios, não postei para receber agradecimentos, mas para alertar e relembrar que estas situações existem, de qualquer maneira, agradeço o facto de terem lido e pensado no assunto.

Bjs

 
Às 28/10/05 19:17 , Anonymous Anónimo disse...

Bem... ver a alegria de uma criança qd damos algo é realmente bonito, principalmente qd é aquele objecto metálico k verdade seja não vale nada a não ser poder de compra... já imaginaste o k era a miúda puxar-te por um braço para lhe dares a moeda e os teus amigos pelo outro para prosseguirem passeio? É que pode acontecer... e isso fica gravado... ali no meio tipo desenho animado a balouçar de um lado para o outro! Beijinho***

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial