20 outubro 2006

Luís Monteiro da Cunha

Promessas de Rivoli

foto: Bufagato/2006


Promessas de Rivoli


Quando a cultura fere a razão
Do pobre alcoviteiro, como rio.
É chegada a hora de uma mão
que a chame à razão, a frio.

Pode ser o acto em si, funesto
Podem os meios não serem ideais.
Mas regem-se por ideais, concretos
Rasgando o silêncio dos demais.

Trancam-se chaves, no Rivoli.
Erguem-se grades, tudo míngua,
Do desvairado rio. corre aqui

O frémito do amor insolvente,
Às artes todas iguais. nesta ínsua
Vive o sonho do rico e do indigente

Nos palcos de cada premissa.

Luís Monteiro da Cunha
2006-10-18

8 Comentários:

Às 20/10/06 00:42 , Blogger Luís Monteiro da Cunha disse...

Nestes tempos conturbados
que nos perturbam a razão
Todos perdidos ou achados
Devemos fazer ver a intenção

e a do artista
é a nobre condição



Bom dim de semana

 
Às 20/10/06 11:58 , Blogger A Sonhadora disse...

Olá Luis, bom dia..por cá andei a caminhar pelo teu sitio...como sempre divino!!!
Abraço da sonhadora e um bom fim de semana...se possivel menos molhado.....eheheh

 
Às 21/10/06 10:24 , Blogger Dad disse...

Olá Luis!
A entrada no teu sítio agora é tumultuada porque aparecem muitos anúncios a aborrecer...
Mas enfim! C'est la vie...
vim por a leitura em dia e desejar Felicidade a rodos e um óptimo
Fim de semana, apesar de invernoso.
Mesmo com chuva, guarda o sol
No teu coração!

Beijinho,

 
Às 21/10/06 16:46 , Blogger Pink disse...

Em cima da situação ... é o que se chama a este post! Clro que à boa maneira de lmc, muito bem escrito!

Um beijinho e bom fim de semana.

P.S. O Fernando Bouça é um a migo meu que escreve poemas e já fez duas edições de autor. Prepara uma terceira. Eu gosto bastante de muito do que ele escreve. Aqui fica o esclarecimento.

 
Às 22/10/06 12:52 , Blogger Amita disse...

Um belo poema, Luís, que o acontecimento bem merecia.
Um bjinho grande e um bom Domingo

 
Às 23/10/06 01:31 , Blogger Arte por um Canudo 2 (No Sapo) disse...

Só quem sabe e tem dom é que consegue fazer um poema em forma de critica.Está muito interessante e nestas poucas palavras tem muito do que se passou e passa com a cultura para esses lados.Rios há muitos e é pena que nem todos corram para o mar..??????Um abraço

 
Às 23/10/06 03:13 , Blogger Castor (moi-je...ehe, ehe) disse...

Um poema muito actual e apropriado...efectivamente, muita gente move-se por dinheiro e por poder mas existe ainda uma franja - quais artistas de sensibilidade incompreendida - que se movem por ideais e se perpetuam desenquadrados na sociedade. Abraço.

 
Às 24/10/06 14:46 , Blogger gato_escaldado disse...

Exclente e oportuno soneto. A "fechar" com chave de oiro...

Abraços

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial