26 junho 2006

Luís Monteiro da Cunha

Escrito em tempos: "Orvalhadas"

A minha mãe, aproxima-se de mim com um sorriso malandro nos lábios e os olhos trocistas:
- Reconheces isto?
E tira do bolso do avental, uma folha de papel A4 dobrado em quatro, que me oferece de seguida.
Curioso, agarro no papel, desdobro-o lentamente e estupefacto, começo a ler:


“ORVALHADAS”

Hoje, ouvi alguém a cantar as «orvalhadas».
Escutei com atenção, pois a palavra, apesar de não ser comum, não me era totalmente desconhecida.
Era uma canção sanjoanina, muito em voga na cidade do Porto, no norte do país, a qual se ouve muito nesta época do ano, quando se procuram nas prateleiras cheias de pó, as canções que fizeram furor no passado saudoso.
Mas, o que me chamou a atenção, foi a palavra em si e não a fonética ou o acompanhamento musical, que apesar de agradável, pode-se considerar comum.
Como pensei…
Orvalhada, substantivo feminino e quer dizer:
orvalho da manhã; queda ou formação do orvalho.

E o que é o orvalho? Consultado o dicionário… cá está…
Orvalho, substantivo masculino; vapor de água que se condensa em forma de pequenas gotas, devido a um arrefecimento lento do ar, e se deposita de manhã e à noite, sobre os corpos expostos ao ar livre; chuva muito miúda;

Porque é que foi usada na canção que escutei?
Como acima exposto, trata-se de humidade no ar, a qual, como é costume na noite de S. João, não falta, para dar um arrefecimento nas almas turvas e escaldadas com o calor da noite, acompanhada de muito vinho ou outras bebidas etílicas e, das sempre boas e quentes sardinhas assadas.
Quem ainda não passou uma noite ao relento, na companhia de amigos e sentiu nas costas o «orvalho», ou seja… as roupas humedecidas pela humidade existente no ar e que se vai acumulando em tudo o que toca… e especialmente nas pessoas, só se nota quando se está parado e o corpo já não consegue evaporar a humidade que se acumula na roupa que o reveste.
Tenho saudades das orvalhadas, dos meus tempos de garraio, em que nada se sentia no corpo, que tudo aguentava, quantas noites de folguedos e namoricos ao som de canções populares… como as «Orvalhadas».

Luís Monteiro da Cunha
Domingo, 22 de Junho de 1997
"

Este é o conteudo do mesmo, conforme o escrevi e como a alma o ditou naquele tempo, sem qualquer pretensão de escrito publicável.

Obrigada minha mãe, por esta surpresa...


.

18 Comentários:

Às 26/6/06 17:18 , Anonymous Anónimo disse...

Sto António já se acabou...o S. Pedro está a acabar...S. JOão, S. João, S. João. Este ano a noite esteve um pouco fresca, mas foi (mais uma vez) uma grande noite.

 
Às 26/6/06 18:40 , Blogger alice disse...

querido luís,

espero-te bem!

é uma delícia o que fica no passado e depois nos sabe tão bem recordar, eu tenho muitos escritos guardados, para me rir de mim própria, que adoro fazer

um beijinho para ti,

alice

 
Às 26/6/06 20:57 , Blogger Ricky disse...

Antes que mais, olá =)

Fico muito agradecido pelo seu comentário no meu blog, a congratular-me! E por muito bem que saiba qualquer elogio tenho de frisar que a minha participação, ou a de qualquer outro elemento daquele grupo, só é "prestimosa" no contexto de um todo, de um grupo. Eu sou o que eventualmente sou, porque faço parte do grupo de teatro Antígona e porque o grupo faz parte mim, caso contrário eu não passaria de um coitado no meio de uns mais coitados e de uns poucos que sabem o que fazem!

=) Muito obrigado pelo elogio =) mas o verdadeiro elogio vai para o grupo inteiro =) uma boa prestação do grupo é uma óptima prestação de cada um de nós, por isso muito obrigado =)

Abraços =)

(PS: Além disso a minha tia é uma exagerada =P aquilo foi...bonzinho vá =P)

 
Às 26/6/06 21:06 , Blogger lena disse...

Luís obrigada por partilhares este delicioso texto, és poeta por excelência

ler-te é sempre agradável e não páras de me surpreender

gostei destas orvalhadas e até as senti

beijinhos para ti meu amigo Poeta

lena

 
Às 26/6/06 23:52 , Blogger GNM disse...

Deve ter sido muito agradável para
ti.
E para mim também!

Agradeço-te a partilha...

Fica bem!

 
Às 27/6/06 10:32 , Blogger Papoila disse...

Olá Bufagato:
Encontrar assim um "escrito" a que nem sequer demos atenção é tão agradável decerto quanto nós o podermos ler.
As "orvalhadas" e o culto da fertilidade que lhe estão associadas continuam, e este ano foram sentidas, até porque molhar as mãos no orvalho e passar na cara ou no corpo, "dá saúde e formosura"...
Beijo

 
Às 27/6/06 15:57 , Blogger margusta disse...

Olá Luís,
...Gostei de ler "Orvalhadas" , pela forma como escreves e tambem por desconhecer em absoluto a sua relação com as noites de S.Jõao e as ditas canções.
É sempre agradável relermos as coisas que escrevemos no passado...são como fragmentos da nossa vida registados no papel...
Gosto de ver o orvalho pela manhã cedo...delicadas gotículas que serena e docemente embelezam os locais onde repousam...

Beijinhos meu amigo...de sempre!!!

 
Às 27/6/06 18:44 , Blogger Amita disse...

As mães são assim, umas ternurentas que guardam tudo dos seus meninos pela vida fora. Uma surpresa linda, o mais doce carinho que a tua mãe te ofereceu naquele dia e que gostei de ler. Obrigado Luís pela partilha e pela lembrança das "orvalhadas" desta cidade, tão características no S. João.
Um bjinho grande e um doce sorriso

 
Às 27/6/06 21:44 , Blogger tb disse...

Olá, cheguei pela mão de uam amiga comum. Gostei do que li. Voltarei com mais vagar.
Abraços

 
Às 28/6/06 01:36 , Anonymous Anónimo disse...

Tens jeito para a coisa.. já nasceste mesmo assim. :) Que bela surpresa.. sim senhora! ;)

 
Às 28/6/06 07:25 , Blogger Dad disse...

Muito interessante este post. Não conhecia o termo nem o hábito. Portugal apesar de pequeno é tão diversificado.

Continuas em grande forma!

Beijinhos,

 
Às 28/6/06 16:14 , Blogger Fofinha disse...

Já faz muito tempo que não vinha ao mundo dos blogs, e agora ao regressar fez-me lembrar todos os amigos que aqui fiz e os que poderei fazer ainda mais como diz o ditado..."Não há solidão mais triste do que uma pessoa sem amizades. A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto" Beijinhos e não eixes de visitar o meu cantinho

 
Às 28/6/06 16:16 , Anonymous Anónimo disse...

Olá... passei para dar um beijinho e dizer que não me esqueço dos amigos o tempo é que é pouco... prometo vir mais vezes agora... beijinhos

 
Às 28/6/06 16:17 , Anonymous Anónimo disse...

Hoje foi o dia de receberes de segida a visita de 3 amigas que são 3 em um hehehheh... um beijinho grande e prometo não estar ausente tanto tempo

 
Às 28/6/06 18:44 , Blogger Unknown disse...

Olá fofo!!!!

Até que enfim consigo comentar AQUI!!!!

Mas nem imaginas a Aventura, tem que ser pelo netscape e sempre a "stopar" a página, porque senão, puf, lá vou eu abaixo, hi,hi. a 1.ª página ainda vai aguentando, o pior mesmo é comentar...

E esta "Orvalhada" saudosa e linda.

Não te esqueci ;-)))

beijos e abraços meu amigo
sonia q.

 
Às 29/6/06 00:47 , Anonymous Anónimo disse...

Oi Cunha; agradeces à tua mãe, mas ela já deve ter agradecido ainda mais por ter sido abençoada com um filho como tu. Parabens aos dois ;)** beijocas

 
Às 29/6/06 11:08 , Blogger soslayo disse...

Bufagato:

São os rascunhos perdidos algures no tempo e que denunciam o porvim dum poeta que aí está! E as mães, essas, olham de soslaio como não querem nada mas seguem atentamente o evoluir dos seus rebentos. Um abraço.

 
Às 6/7/06 14:51 , Anonymous Anónimo disse...

HOLA LUIS-BUFAGATO... NO ENCONTRÉ TU LIBRO DE VISITAS Y A TRAVES DE ESTE COMENTARIO QUIERO AGRADECERTE TU CORDIAL SALUDO CON MOTIVO DEL TERCER ANIVERARIO DE MI WEB.
RECIBE UN CORDIAL SALUDO DESDE LIMA PERU.
SKORPIONA®
Ynés de la Puente
http://skorpiona.webcindario.com/

 

Publicar um comentário

Subscrever Enviar feedback [Atom]

<< Página inicial